top of page

Câncer de mama e as mulheres brasileiras



Mais do que qualquer outra parte do corpo humano, os seios são fonte de variadas simbologias nas diferentes culturas. Órgão da amamentação e símbolo de feminilidade, eles são ao mesmo tempo fonte de inspiração, desejo e ternura. Na intimidade, associam-se à sexualidade e ao prazer. Quando expostos publicamente, podem expressar ousadia e protesto, mas também ser objeto de sensualidade e estratégias de marketing. Mas a mama também adoece. Entre as doenças que atingem essa glândula, a que mais preocupa é o câncer, por ser o mais incidente e a principal causa de mortalidade por câncer em mulheres no Brasil.

Mas o que é o câncer de mama?


O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação desordenada de células da mama. Esse processo gera células anormais que se multiplicam, formando um tumor. Há vários tipos de câncer de mama. Por isso, a doença pode evoluir de diferentes formas. Alguns tipos têm desenvolvimento rápido, enquanto outros crescem mais lentamente. Esses comportamentos distintos se devem a características próprias de cada tumor. O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença.

O câncer de mama em números


O câncer de mama é o tipo mais frequente de câncer em mulheres, após o câncer de pele não melanoma. Somente em 2021, o INCA estima que mais de 66 mil mulheres serão diagnosticadas com câncer de mama no Brasil. Em 2019, foram 18.295 mortes causadas pela doença, sendo 18.068 mulheres e 227 homens, segundo o Atlas de Mortalidade por Câncer.


Não existe cura mas há prevenção


A prevenção primária consiste em reduzir os fatores de risco e promover os fatores de proteção mantendo cuidados como:

• Manter o peso corporal saudável.

• Ser fisicamente ativa.

• Evitar o consumo de bebida alcoólica.

• Se for necessário fazer terapia de reposição hormonal, para sintomas do climatério, fazer pelo menor tempo possível e sob supervisão médica.

• Para quem tem filhos, amamentar o maior tempo possível.


O diagnóstico


Um nódulo ou outro sintoma suspeito nas mamas deve ser investigado por médicos para confirmar se é ou não câncer de mama. Para a investigação, além do exame clínico das mamas, exames de imagem podem ser recomendados, como mamografia, ultrassonografia ou ressonância magnética. A confirmação diagnóstica só é feita, porém, por meio da biópsia, técnica que consiste na retirada de um fragmento do nódulo ou da lesão suspeita por meio de punções (extração por agulha) ou de uma pequena cirurgia. O material retirado é analisado pelo patologista para a definição do diagnóstico.


O tratamento


Muitos avanços vêm ocorrendo no tratamento do câncer de mama nas últimas décadas. Existe hoje mais conhecimento sobre as variadas formas de apresentação da doença (algumas mais agressivas e outras menos) e diversas terapêuticas estão disponíveis. O tratamento do câncer de mama depende da fase em que a doença se encontra (estadiamento) e do tipo do tumor. Pode incluir cirurgia, radioterapia, quimioterapia, hormonioterapia e terapia biológica (terapia-alvo). Quando a doença é diagnosticada no início, o tratamento tem maior potencial curativo. No caso de a doença já possuir metástases (quando o câncer se espalhou para outros órgãos), o tratamento busca prolongar a sobrevida e melhorar a qualidade de vida.

Se toca, mulher!


Fontes

https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//kit-materiais-expo-mama.pdf

https://www.pfizer.com.br/noticias/ultimas-noticias/cancer-de-mama-em-numeros

https://www.inca.gov.br/exposicoes/mulher-e-o-cancer-de-mama-no-brasil

21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo